Geral

SindArroz-SC quer evitar aumento da carga tributária da cesta básica

O Sindicato das Indústrias de Arroz de Santa Catarina levantou um importante debate com objetivo de evitar que os catarinenses sofram com o aumento da carga tributária da cesta básica. Em reunião com o secretário de Estado da Fazenda, Cleverson Siewert, o presidente do SindArroz-SC, Walmir Rampinelli, abriu tratativas para buscar a solução de um impasse envolvendo a cobrança de impostos na produção do arroz, um dos produtos mais consumidos pela população.

Conforme Rampinelli, o SindArroz-SC foi à reunião para solicitar uma revisão de interpretação da legislação, tendo em vista que o Estado quer cobrar uma diferença de alíquota de 5% do arroz nas saídas internas, o que aumentaria a carga tributária nas cestas básicas, de um alimento que é de consumo popular.

“O que se busca é a manutenção do status anterior, não é uma redução, mas sim que possamos evitar um aumento da carga tributária, que infelizmente acontecerá caso essa interpretação seja adotada. De forma geral, ficamos bastante satisfeitos com o resultado da reunião e conseguimos um prazo para apresentar ao Estado as justificativas do nosso pleito, que nada mais é do que a defesa para que não haja aumento de custo para a nossa população em cima do arroz, um produto tão importante”, explica o presidente do SindArroz-SC.

Como encaminhamento, definiu-se que, em 60 dias, ambas as partes apresentarão suas propostas e chegarão, em conjunto, a uma solução para o impasse. “O Estado, juntamente com as indústrias, quer encontrar a solução para que o consumidor tenha na sua mesa o arroz com a qualidade e preço justo de sempre. Fomos extremamente bem atendidos pelo secretário e toda a sua equipe, ele nos mostrou que estão muito bem orientados e abastecidos de dados, e que sabem o que e como as empresas estão produzindo”, completa Rampinelli.

Os integrantes do SindArroz-SC, Renato Franzner, Vanir Zanatta, Silvério Orzechowski e Vinícius Moraes também participaram do encontro, bem como os deputados federais Daniel Freitas e Carlos Chiodini, e deputado estadual José Milton Scheffer, o diretor jurídico da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Carlos José Kurtz, e a advogada da Fiesc, Adriana Sanches.

 

Por: Thiago Oliveira/ND+

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Grupo de Notícias