Geral

Grupo especial atua em investigação de esquema criminoso em município do Vale do Contestado

 

Nesta terça-feira (11-6), o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (GAECO) e o Grupo Especial Anticorrupção (GEAC) do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) deram início à segunda fase da operação “Arquivo-Morto”. A ação visa desarticular um suposto esquema criminoso que tem causado prejuízos à administração pública em um município localizado no Vale do Contestado.

Nesta etapa da operação, o foco da investigação são possíveis irregularidades em contratos públicos firmados pelo Poder Legislativo de um dos municípios integrantes da Comarca de Santa Cecília. As suspeitas incluem fraudes em orçamentos, superfaturamentos, falsificação de documentos, peculato, corrupção e possíveis irregularidades no pagamento de diárias. A operação envolve um vereador, um servidor comissionado local e empresários que teriam aderido ao esquema.

Ao todo, foram expedidos 32 mandados de busca e apreensão e dois mandados de suspensão do exercício da função pública pela Vara Única da Comarca de Santa Cecília. A execução das ordens está ocorrendo em diversos municípios de Santa Catarina e no Estado do Rio Grande do Sul. A operação conta com a participação de dois Promotores de Justiça, 59 policiais do GAECO e 19 viaturas estão sendo empregadas.

Além disso, a Polícia Civil de Santa Catarina, através da Divisão de Investigação Criminal de Canoinhas, e a Polícia Rodoviária Federal também estão apoiando o cumprimento das ordens judiciais. A investigação continua em segredo de justiça.

O nome da operação remete à descoberta de procedimentos licitatórios fraudados que foram escondidos no arquivo-morto por um servidor do legislativo municipal, para evitar adulterações ou destruições por parte dos investigados. A primeira etapa da operação foi deflagrada em fevereiro de 2024.

Tanto o GAECO quanto o GEAC têm como objetivo a identificação, prevenção e repressão às organizações criminosas e ações judiciais de combate à corrupção. As investigações seguem em andamento e novas informações podem surgir a qualquer momento.

 

Por MPSC.

 

Grupo de Notícias