Segurança

Condenado homem que matou companheira com martelo e canivete no Planalto Norte Catarinense.

Manchas de sangue no local logo após o crime
Manchas de sangue no local logo após o crime

 

 

Um caso de feminicídio em São Bento do Sul, registrado em 23 de setembro de 2022, foi julgado pelo Tribunal do Júri na quarta-feira (20), resultando na pena de 16 anos de prisão ao responsável pelo crime. De acordo com o advogado assistente de acusação Djony Weldt, o então companheiro da mulher, desconfiado de que estava sendo traído, cometeu o crime com um martelo e um canivete. A vítima foi identificada como Zorilda Gonçalves.

O caso ocorreu na Rua Wigando Rogério Diener, Logo depois do ocorrido, o autor foi localizado pela Polícia Militar (PM) nos arredores da Rua Professor Egon Husmann, no Centro. “No ato ele já confessou que havia praticado o homicídio”, afirma o advogado.

“Ele foi preso preventivamente e denunciado pelo Ministério Público, o qual pediu a condenação dele por homicídio qualificado, por motivo fútil”, conta. “Também foram solicitadas a qualificadora de utilização de meio cruel, porque foi uma brutalidade muito grande, e a qualificadora de feminicídio”, acrescenta Weldt. A vítima foi atacada dentro de sua própria casa.

Tribunal do Júri
Em sessão realizada no Fórum da Comarca, o Tribunal do Júri acolheu todas os pedidos do Ministério Público, conforme ao advogado, considerando o réu responsável pelo crime.

A pena aplicada ficou em 16 anos de prisão, inicialmente em regime fechado, sem direito a poder recorrer em liberdade. O assassino já estava preso preventivamente no Presídio Regional de Mafra desde o dia do ocorrido, explica o advogado.

Segredo de justiça
A assessoria do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) ressalta que o caso está em segredo de justiça – portanto, o nome do autor do crime não foi informado.

 

Por A Gazeta

Grupo de Notícias