Geral

Advogada de 27 anos é encontrada morta após 20 dias soterrada no RS

A advogada gaúcha Natália Cobalchini, de 27 anos, foi encontrada morta nesta segunda-feira (20) – Foto: Internet/Reprodução

 

A advogada gaúcha Natália Cobalchini, de 27 anos, estava desaparecida desde o dia 1° de maio, na cidade de Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. Nesta segunda-feira (20), após 20 dias soterrada, o corpo de Natália foi encontrado.

A jovem advogada era especialista em Direito Previdenciário e estudava pós-graduação em Direito na PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul). As informações foram compartilhadas pelo portal Ric.

Ainda de acordo com o portal, a casa de Natália foi atingida por um deslizamento causado pelas chuvas que atingiram a Serra Gaúcha no dia 1º de maio. Os pais da advogada, Artemio Cobalchini, de 72 anos, e Ivonete Cobalchini, de 62, também morreram na tragédia.

O número de mortos do Estado do Rio Grande do Sul chegou a 161 e 85 desaparecidos, de acordo com o último boletim divulgado pelo Governo gaúcho.

Homenagens para advogada vítima da tragédia climática no RS

A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) Subseção de Bento Gonçalves confirmou a morte da advogada. “Dra. Natália, jovem advogada de nossa Subseção, fazia parte de nossa comunidade jurídica e, certamente, por este breve período que esteve entre nós, deixou seu legado”.

Através de uma publicação nas redes sociais, o prefeito do município de Bento Gonçalves, Diogo Segabinazzi, também se manifestou. “A gente vai poder devolver essa pessoa para sua família, para que consiga ter um enterro digno e dar essa tranquilidade para essa que a gente perdeu e para sua família, que há 20 dias também está numa agonia”.

Amigos e familiares de Natália também deixaram homenagens. “Quem teve a oportunidade de ter a Natália em sua vida, sabe do que estou falando! Guria alegre, espontânea, de um coração gigante, linda, louquinha, extrovertida, que sempre estava pronta pra qualquer coisa, não tinha dia ruim pra ela”, escreveu uma amiga.

 

Fonte: ND+
Grupo de Notícias